sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

VOTOS DE SUBMISSÃO


Votos de submissão

Caso você queira posso passar seu terno,

aquele que você não usa por estar amarrotado.

Costuro as suas meias para o longo inverno...

Use capa de chuva, não quero ter você molhado.

Se de noite fizer aquele tão esperado frio poderei cobrir-lhe com o meu corpo inteiro.

E verás como minha a minha pele de algodão macio, agora quente, será fresca quando janeiro.

Nos meses de outono eu varro a sua varanda, para deitarmos debaixo de todos os planetas.

O meu cheiro te acolherá com toques de lavanda - 
Em mim há outras mulheres e algumas ninfetas - Depois plantarei para ti margaridas da primavera e aí no meu corpo somente você e leves vestidos,
para serem tirados pelo total desejo de quimera.
Os meus desejos irei ver nos teus olhos refletidos.
Mas quando for a hora de me calar e ir embora sei que, sofrendo, deixarei você longe de mim.
Não me envergonharia de pedir ao seu amor esmola, mas não quero que o meu verão resseque o seu jardim.(Nem vou deixar - mesmo querendo - 
nehuma fotografia.
Só o frio, os planetas, as ninfetas e 
toda a minha poesia)

Fernanda Young

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

CANTINHO BDSM: Ageplay

CANTINHO BDSM: Ageplay: Ageplay ou jogo de idade é uma forma de prática em que um indivíduo age e / ou trata mais, como se fossem uma idade diferente. A prática...

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

BDSM: Sadismo e Masoquismo. Parte 3

BDSM: Dominação e Submissão - Parte 2

A SUBMISSÃO

A submissão é uma arte delicada, reservada para os que têm consciência de que é preciso um exercício constante.
Ser submissa é estar presente, igualmente de corpo e alma, na relação. É andar de mãos dadas com os propósitos do DONO. É ser inteiramente cúmplice, pronta a atende-lo ao menor sinal.
Ser submissa é ser macia como seda, limpa como a pétala do lótus, leve como uma
pena de passarinho, transparente como bolha de sabão, leal como uma cadela e discreta como uma gata.
Ser submissa é saber reconhecer o momento de se recolher, silenciosamente.
É ser "QUASE" imperceptível. É nem respirar... pra não incomodar.
Ser submissa é: JAMAIS faltar... e NUNCA ser demais!
(Texto: Amar Yasmine)

DICA DE LEITURA - a libertação da bela

Sinopse - A Libertação da Bela - Trilogia Erótica Vol. III - A. N. Roquelaure / Anne Rice

A Libertação da Bela encerra a trilogia erótica mostrando a chegada de Bela, Tristan e Laurent, às terras do sultão, e as novas e surpreendentes experiências sexuais pelas quais eles passam no inebriante palácio onde prazer e dor se confundem. Mas quando os três escravos pensam que passariam muito tempo naquela terra tão diferente, são resgatados por emissários da rainha Eleanor. Com cenas picantes e reviravoltas que pegam o leitor de surpresa, Anne Rice, cria uma trama que prende a atenção do início ao fim.

DICA DE LEITURA - a punição da bela

Sinopse - A Punição da Bela - Trilogia Erótica Vol. II - A. N. Roquelaure / Anne Rice
Em A punição da Bela, a princesa mantida como escrava sexual passa de favorita do príncipe a renegada, depois de se envolver com Tristan, também escravo na corte de Eleanor. Vendidos para senhores diferentes, Bela e Tristan, são então separados e, em meio a intensos jogos eróticos, acostumam-se a castigos cada vez mais severos. Mas quando a vila é atacada por soldados inimigos, os dois jovens são levados, junto com Laurent, um escravo fugitivo que havia sido punido severamente, para o palácio de um sultão, até o momento de serem devolvidos à rainha Eleanor.

DICA DE LEITURA - os desejos da bela adormecida

Sinopse - Os Desejos da Bela Adormecida - Trilogia Erótica Vol. I - A. N. Roquelaure / Anne Rice

Sob o pseudônimo de A. N. Roquelaure, Anne Rice, reimagina a história de Bela e expõe toda a subjetividade deste conto que povoa a imaginação coletiva, explorando sua ligação inegável ao desejo sexual. Aqui, o príncipe desperta Bela não com um beijo, mas com a iniciação sexual. Sua recompensa para acabar com os cem anos de encantamento é a escravidão total e completa de Bela a seu prazer. A heroína é levada para o castelo do príncipe onde terá de se submeter a provações inimagináveis como prova da sua entrega e dedicação.

O HOMEM E A MULHER

O homem é a mais elevada das criaturas. A mulher o mais sublime dos ideais.
Deus fez para o homem um trono, para a mulher um altar.
O trono exalta; o altar santifica.
O homem é o cérebro; a mulher o coração.
O cérebro produz luz; o coração o amor.
A luz fecunda. O amor ressuscita.
O homem é um gênio; a mulher um anjo.
O gênio é imensurável; o anjo indefinível.
A aspiração do homem é a suprema glória; a aspiração da mulher a virtude extrema. A glória traduz grandeza; a virtude traduz divindade.
O homem tem a supremacia; a mulher a preferência. A supremacia representa força; a preferência o direito.
O homem é forte pela razão; a mulher invencível pela lágrima. A razão convence; a lágrima comove.
O homem é capaz de todos os heroísmos; a mulher de todos os martírios. O heroísmo enobrece; o martírio sublima.
O homem é o código; a mulher o evangelho. O código corrige; o evangelho aperfeiçoa.
O homem é um templo; a mulher um sacrário. Ante o templo, nós nos descobrimos; ante o sacrário, ajoelhamo-nos.
O homem pensa; a mulher sonha. Pensar é ter cérebro; sonhar é ter na fronte uma auréola.
O homem é um oceano; a mulher um lago. O oceano tem pérola que o embeleza; o lago tem a poesia que o deslumbra.
O homem é uma águia que voa; a mulher um rouxinol que canta. Voar é dominar os espaços; cantar é conquistar a alma.
O homem tem um farol: a consciência. A mulher tem uma estrela: a esperança. O farol guia e a esperança salva.
Enfim, o homem está colocado onde termina a terra. A mulher onde começa o Céu.
Victor Hugo

CERIMÔNIA DAS COLEIRAS

A Cerimônia

 A submissa caminha em direção ao seu Dono e revela sua vontade de viver sua vida pelas regras do BDSM. "Senhor quero fazer do BDSM o meu estilo de vida"
 O Dominador a aguarda com a coleira que será colocada na submissa. Toca um sino anunciando o inicio da cerimônia. A submissa caminha em direção ao seu Dono.
 Um segundo sino toca... O Dominador entrega a coleira nas mãos da submissa.
 A submissa com a guia na mão faz o seguinte juramento: "Eu O ofereço esta guia para que me guie e me dirija pela minha vida. É meu desejo pertencer ao Senhor e segui-lo por onde achar que devo".
 O Dominador pega a guia da mão da submissa e declara... "Eu aceito esta guia como símbolo de sua entrega e prometo guia-la seguramente pelos caminhos da vida. Você me pertence e eu farei de tudo para protege-la em minha jornada".
 O Dominador pede a submissa que se ajoelhe a sua frente e pega a coleira para colocar em seu pescoço. "Você ajoelha-se aos meus pés e aceita este símbolo de minha propriedade como uma marca para nós e para os outros que encontraremos em nossa jornada?"
 A submissa se ajoelha, cabeça alta, porem olhos baixos. Será a ultima vez que será "pedido" para ela ajoelhar-se. "Me ajoelho como sinal de minha submissão e aceitação de sua coleira. Eu a usarei com orgulho por todos os meus dias, Senhor".
 Ele então coloca a coleira e diz "Você agora me pertence".
 "Eu agora a pertenço, Mestre". É a primeira vez que a palavra Mestre será usada na cerimônia.
 Dominador, então diz: "Eu aceito sua vontade de me servir e aceito os segredos de seu coração. Vou honrar seus desejos e necessidades. Você me pertence e é, portanto, parte de meu corpo, da minha alma e de meu destino".
 Submissa... "Eu aceito suas condições e respeito os segredos de seu coração. Vou amá-lo e honrá-lo enquanto o sirvo da melhor maneira que conseguir. Abrirei minha cabeça e minha alma tendo certeza que quer sempre o melhor para mim. Minha submissão ao senhor é um presente dado com prazer e não deverá nunca se tornar um fardo. Sou agora parte do senhor e respeitarei isto, já que agora nós nos tornamos um".
 O Dominador prende a guia a coleira e com um leve puxão, simbolizando a nova condição de Mestre e sub, "comanda" que ela levante-se. Os sinos tocam anunciando um novo vinculo formado. Ele a beija. O casal se abraça mostrando o afeto entre eles. O Mestre oferece uma jóia a ser usada quando a coleira é imprópria.
O encoleiramento é algo levado a serio na comunidade BDSM e o significado deste não deve nunca ser esquecido.

 Símbolos
Submissa: carrega uma única flor a qual é ofertada ao Dominador.
Dominador: carrega uma chibata simbolizando seu papel no mundo BDSM.
FONTE: http://www.reinodeka.com.br/fantasia-bdsm-cerimonia-coleira

ESTRELA LUMINOSA


Estrela Luminosa

Altay Veloso.



Maria cheia de raça...não teve de graça o que recebeu
Quando alguém é um rio que gera um oceano
Não há nenhum tirano que arranque o que é seu
Um ventre quando se transforma em um santuário é revolucionário a meu modo de ver
Ninguém vai do parto ao santo sudário sem saber porque
Tem que ter a luz da humildade
Cumplicidade, amor e revelia
Ninguém se torna mãe da cristandade sem a santa ousadia
Olhos que velaram pelo sono de Adonai
Clareai o mundo, mãe, iluminai
Cada vez que um de nós se vê tentado pela insana covardia......

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

DICA DE LEITURA - delta de vênus

Sinopse - Delta de Vênus - Histórias Eróticas - Anaïs Nin

Prostitutas que satisfazem os mais estranhos desejos de seus clientes. Mulheres que se aventuram com desconhecidos para descobrir sua própria sexualidade. Triângulos amorosos e orgias. Modelos e artistas que se envolvem num misto de culto ao sexo e à beleza. Aristocratas excêntricos e homens que enlouquecem as mulheres. Estes são alguns dos personagens que habitam os contos eróticos de Delta de Vênus, de Anaïs Nin. Escritas no início da década de 40 sob a encomenda de um cliente misterioso, estas histórias se passam num mundo europeu-aristocrático decadente, no qual as crenças de alguns personagens são corrompidas por novas experiências sexuais e emocionais. Discípula das descobertas freudianas, Anaïs Nin aplicou nestes textos a delicadeza de estilo que lhe era característica e a pungência sexual que experimentou na sua própria vida. Mais do que contos eróticos, Delta de Vênus oferece ao leitor histórias de libertação e superação. Esta nova tradução de Delta de Vênus traz pela primeira vez ao leitor brasileiro os contos Pierre e Marcel, que haviam sido suprimidos da edição anterior.

http://www.skoob.com.br/livro/4149-delta-de-venus

Mestre K@ - Submissão

Mestre K@ - Submissão

DICA DE LEITURA - Falsa submissão


Sinopse - Falsa Submissão - Laura Reese


Chicotes, roupas justas de vinil negro, um cachorro dinamarquês. O prazer bizarro do sadomasoquismo não fazia muito sentido para Nora Tibbs, jornalista de uma cidadezinha da Califórnia. Isto até o brutal assassinato da irmã. Obcecada pela ideia de encontrar o criminoso, Nora se deixa conduzir pelo misterioso M. por um mundo de jogos perversos, sem regras ou limites, descobrindo os desejos mais primitivos e sensações antes inimagináveis. Atraída pelo magnetismo excêntrico de M., ela só não desconfia que a morte acompanha seus passos e pode até estar ao seu lado, na cama.

Suspense com altas doses do mais inusitado tipo de erotismo estão em Falsa Submissão, uma história perturbadora que marca a estreia literária da americana Laura Reese.

FONTE: http://www.skoob.com.br/livro/7994-falsa-submissao