sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

VOTOS DE SUBMISSÃO


Votos de submissão

Caso você queira posso passar seu terno,

aquele que você não usa por estar amarrotado.

Costuro as suas meias para o longo inverno...

Use capa de chuva, não quero ter você molhado.

Se de noite fizer aquele tão esperado frio poderei cobrir-lhe com o meu corpo inteiro.

E verás como minha a minha pele de algodão macio, agora quente, será fresca quando janeiro.

Nos meses de outono eu varro a sua varanda, para deitarmos debaixo de todos os planetas.

O meu cheiro te acolherá com toques de lavanda - 
Em mim há outras mulheres e algumas ninfetas - Depois plantarei para ti margaridas da primavera e aí no meu corpo somente você e leves vestidos,
para serem tirados pelo total desejo de quimera.
Os meus desejos irei ver nos teus olhos refletidos.
Mas quando for a hora de me calar e ir embora sei que, sofrendo, deixarei você longe de mim.
Não me envergonharia de pedir ao seu amor esmola, mas não quero que o meu verão resseque o seu jardim.(Nem vou deixar - mesmo querendo - 
nehuma fotografia.
Só o frio, os planetas, as ninfetas e 
toda a minha poesia)

Fernanda Young

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

CANTINHO BDSM: Ageplay

CANTINHO BDSM: Ageplay: Ageplay ou jogo de idade é uma forma de prática em que um indivíduo age e / ou trata mais, como se fossem uma idade diferente. A prática...

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

BDSM: Sadismo e Masoquismo. Parte 3

BDSM: Dominação e Submissão - Parte 2

A SUBMISSÃO

A submissão é uma arte delicada, reservada para os que têm consciência de que é preciso um exercício constante.
Ser submissa é estar presente, igualmente de corpo e alma, na relação. É andar de mãos dadas com os propósitos do DONO. É ser inteiramente cúmplice, pronta a atende-lo ao menor sinal.
Ser submissa é ser macia como seda, limpa como a pétala do lótus, leve como uma
pena de passarinho, transparente como bolha de sabão, leal como uma cadela e discreta como uma gata.
Ser submissa é saber reconhecer o momento de se recolher, silenciosamente.
É ser "QUASE" imperceptível. É nem respirar... pra não incomodar.
Ser submissa é: JAMAIS faltar... e NUNCA ser demais!
(Texto: Amar Yasmine)

DICA DE LEITURA - a libertação da bela

Sinopse - A Libertação da Bela - Trilogia Erótica Vol. III - A. N. Roquelaure / Anne Rice

A Libertação da Bela encerra a trilogia erótica mostrando a chegada de Bela, Tristan e Laurent, às terras do sultão, e as novas e surpreendentes experiências sexuais pelas quais eles passam no inebriante palácio onde prazer e dor se confundem. Mas quando os três escravos pensam que passariam muito tempo naquela terra tão diferente, são resgatados por emissários da rainha Eleanor. Com cenas picantes e reviravoltas que pegam o leitor de surpresa, Anne Rice, cria uma trama que prende a atenção do início ao fim.

DICA DE LEITURA - a punição da bela

Sinopse - A Punição da Bela - Trilogia Erótica Vol. II - A. N. Roquelaure / Anne Rice
Em A punição da Bela, a princesa mantida como escrava sexual passa de favorita do príncipe a renegada, depois de se envolver com Tristan, também escravo na corte de Eleanor. Vendidos para senhores diferentes, Bela e Tristan, são então separados e, em meio a intensos jogos eróticos, acostumam-se a castigos cada vez mais severos. Mas quando a vila é atacada por soldados inimigos, os dois jovens são levados, junto com Laurent, um escravo fugitivo que havia sido punido severamente, para o palácio de um sultão, até o momento de serem devolvidos à rainha Eleanor.

DICA DE LEITURA - os desejos da bela adormecida

Sinopse - Os Desejos da Bela Adormecida - Trilogia Erótica Vol. I - A. N. Roquelaure / Anne Rice

Sob o pseudônimo de A. N. Roquelaure, Anne Rice, reimagina a história de Bela e expõe toda a subjetividade deste conto que povoa a imaginação coletiva, explorando sua ligação inegável ao desejo sexual. Aqui, o príncipe desperta Bela não com um beijo, mas com a iniciação sexual. Sua recompensa para acabar com os cem anos de encantamento é a escravidão total e completa de Bela a seu prazer. A heroína é levada para o castelo do príncipe onde terá de se submeter a provações inimagináveis como prova da sua entrega e dedicação.

O HOMEM E A MULHER

O homem é a mais elevada das criaturas. A mulher o mais sublime dos ideais.
Deus fez para o homem um trono, para a mulher um altar.
O trono exalta; o altar santifica.
O homem é o cérebro; a mulher o coração.
O cérebro produz luz; o coração o amor.
A luz fecunda. O amor ressuscita.
O homem é um gênio; a mulher um anjo.
O gênio é imensurável; o anjo indefinível.
A aspiração do homem é a suprema glória; a aspiração da mulher a virtude extrema. A glória traduz grandeza; a virtude traduz divindade.
O homem tem a supremacia; a mulher a preferência. A supremacia representa força; a preferência o direito.
O homem é forte pela razão; a mulher invencível pela lágrima. A razão convence; a lágrima comove.
O homem é capaz de todos os heroísmos; a mulher de todos os martírios. O heroísmo enobrece; o martírio sublima.
O homem é o código; a mulher o evangelho. O código corrige; o evangelho aperfeiçoa.
O homem é um templo; a mulher um sacrário. Ante o templo, nós nos descobrimos; ante o sacrário, ajoelhamo-nos.
O homem pensa; a mulher sonha. Pensar é ter cérebro; sonhar é ter na fronte uma auréola.
O homem é um oceano; a mulher um lago. O oceano tem pérola que o embeleza; o lago tem a poesia que o deslumbra.
O homem é uma águia que voa; a mulher um rouxinol que canta. Voar é dominar os espaços; cantar é conquistar a alma.
O homem tem um farol: a consciência. A mulher tem uma estrela: a esperança. O farol guia e a esperança salva.
Enfim, o homem está colocado onde termina a terra. A mulher onde começa o Céu.
Victor Hugo

CERIMÔNIA DAS COLEIRAS

A Cerimônia

 A submissa caminha em direção ao seu Dono e revela sua vontade de viver sua vida pelas regras do BDSM. "Senhor quero fazer do BDSM o meu estilo de vida"
 O Dominador a aguarda com a coleira que será colocada na submissa. Toca um sino anunciando o inicio da cerimônia. A submissa caminha em direção ao seu Dono.
 Um segundo sino toca... O Dominador entrega a coleira nas mãos da submissa.
 A submissa com a guia na mão faz o seguinte juramento: "Eu O ofereço esta guia para que me guie e me dirija pela minha vida. É meu desejo pertencer ao Senhor e segui-lo por onde achar que devo".
 O Dominador pega a guia da mão da submissa e declara... "Eu aceito esta guia como símbolo de sua entrega e prometo guia-la seguramente pelos caminhos da vida. Você me pertence e eu farei de tudo para protege-la em minha jornada".
 O Dominador pede a submissa que se ajoelhe a sua frente e pega a coleira para colocar em seu pescoço. "Você ajoelha-se aos meus pés e aceita este símbolo de minha propriedade como uma marca para nós e para os outros que encontraremos em nossa jornada?"
 A submissa se ajoelha, cabeça alta, porem olhos baixos. Será a ultima vez que será "pedido" para ela ajoelhar-se. "Me ajoelho como sinal de minha submissão e aceitação de sua coleira. Eu a usarei com orgulho por todos os meus dias, Senhor".
 Ele então coloca a coleira e diz "Você agora me pertence".
 "Eu agora a pertenço, Mestre". É a primeira vez que a palavra Mestre será usada na cerimônia.
 Dominador, então diz: "Eu aceito sua vontade de me servir e aceito os segredos de seu coração. Vou honrar seus desejos e necessidades. Você me pertence e é, portanto, parte de meu corpo, da minha alma e de meu destino".
 Submissa... "Eu aceito suas condições e respeito os segredos de seu coração. Vou amá-lo e honrá-lo enquanto o sirvo da melhor maneira que conseguir. Abrirei minha cabeça e minha alma tendo certeza que quer sempre o melhor para mim. Minha submissão ao senhor é um presente dado com prazer e não deverá nunca se tornar um fardo. Sou agora parte do senhor e respeitarei isto, já que agora nós nos tornamos um".
 O Dominador prende a guia a coleira e com um leve puxão, simbolizando a nova condição de Mestre e sub, "comanda" que ela levante-se. Os sinos tocam anunciando um novo vinculo formado. Ele a beija. O casal se abraça mostrando o afeto entre eles. O Mestre oferece uma jóia a ser usada quando a coleira é imprópria.
O encoleiramento é algo levado a serio na comunidade BDSM e o significado deste não deve nunca ser esquecido.

 Símbolos
Submissa: carrega uma única flor a qual é ofertada ao Dominador.
Dominador: carrega uma chibata simbolizando seu papel no mundo BDSM.
FONTE: http://www.reinodeka.com.br/fantasia-bdsm-cerimonia-coleira

ESTRELA LUMINOSA


Estrela Luminosa

Altay Veloso.



Maria cheia de raça...não teve de graça o que recebeu
Quando alguém é um rio que gera um oceano
Não há nenhum tirano que arranque o que é seu
Um ventre quando se transforma em um santuário é revolucionário a meu modo de ver
Ninguém vai do parto ao santo sudário sem saber porque
Tem que ter a luz da humildade
Cumplicidade, amor e revelia
Ninguém se torna mãe da cristandade sem a santa ousadia
Olhos que velaram pelo sono de Adonai
Clareai o mundo, mãe, iluminai
Cada vez que um de nós se vê tentado pela insana covardia......

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

DICA DE LEITURA - delta de vênus

Sinopse - Delta de Vênus - Histórias Eróticas - Anaïs Nin

Prostitutas que satisfazem os mais estranhos desejos de seus clientes. Mulheres que se aventuram com desconhecidos para descobrir sua própria sexualidade. Triângulos amorosos e orgias. Modelos e artistas que se envolvem num misto de culto ao sexo e à beleza. Aristocratas excêntricos e homens que enlouquecem as mulheres. Estes são alguns dos personagens que habitam os contos eróticos de Delta de Vênus, de Anaïs Nin. Escritas no início da década de 40 sob a encomenda de um cliente misterioso, estas histórias se passam num mundo europeu-aristocrático decadente, no qual as crenças de alguns personagens são corrompidas por novas experiências sexuais e emocionais. Discípula das descobertas freudianas, Anaïs Nin aplicou nestes textos a delicadeza de estilo que lhe era característica e a pungência sexual que experimentou na sua própria vida. Mais do que contos eróticos, Delta de Vênus oferece ao leitor histórias de libertação e superação. Esta nova tradução de Delta de Vênus traz pela primeira vez ao leitor brasileiro os contos Pierre e Marcel, que haviam sido suprimidos da edição anterior.

http://www.skoob.com.br/livro/4149-delta-de-venus

Mestre K@ - Submissão

Mestre K@ - Submissão

DICA DE LEITURA - o diário de uma submissa

Sinopse - O Diário de uma Submissa - Sophie Morgan

Jornalista independente, de 30 e poucos anos, Sophie Morgan não tem vergonha de admitir que tem gostos sexuais excêntricos. Entre quatro paredes — mas só entre quatro paredes, que fique claro desde o início —, ela gosta de ser submissa. Desde bem jovem ela passou a notar que pensava bastante em sexo. Também percebeu o quanto algumas experiências inusitadas mexiam com ela de uma maneira profunda. Mas foi só na faculdade que ela começou a viver experiências consideradas fora do padrão e notar o quanto aquilo tudo lhe proporcionava um enorme prazer. Depois de viver sua primeira relação sexual sadomasoquista, sem sequer saber direito classificá-la como tal, sente-se definitivamente atraída por esse novo mundo. E após um caso quente e revelador com seu amigo Thomas, é em James que Sophie encontra seu dominador verdadeiro e uma paixão que a leva a testar limites que nem ela mesma poderia imaginar. Ela é uma mulher como outra qualquer, inteligente, carinhosa, sarcástica e que, como ela sempre faz questão de dizer, com uma família amorosa e presente. Mas muito cedo começou a perceber que seu interesse sexual não era tão convencional assim e aquilo que a excitava não era o que excitava suas amigas. Na verdade, tinha certeza de que as deixaria chocadas. Mesmo gostando de ser submissa, Sophie precisa tomar cuidado ao externar essa faceta. Por receio de ser julgada, ela tem que saber muito bem com quem e como falar sobre isso. “Ser uma mulher submissa dá a sensação de algo politicamente incorreto, mas é minha escolha e eu tenho a liberdade de fazê-la”, diz, alertando para os estereótipos prejudiciais em relação aos que praticam o sadomasoquismo. Sophie reconhece que o megasucesso da saga Cinquenta tons de cinza tem contribuído de forma expressiva para a popularização da prática sadomasoquista, mas garante que a última coisa que pretende ser é pervertida. Na vida profissional e social, ela é uma mulher responsável, competitiva, preocupada com suas contas e com algumas gordurinhas indesejáveis. Enquanto é teimosa e independente no dia a dia, tem um outro lado que só aflora quando confia no parceiro com quem vai jogar.

FONTE: http://www.skoob.com.br/livro/287807-o-diario-de-uma-submissa

DICA DE LEITURA - Falsa submissão


Sinopse - Falsa Submissão - Laura Reese


Chicotes, roupas justas de vinil negro, um cachorro dinamarquês. O prazer bizarro do sadomasoquismo não fazia muito sentido para Nora Tibbs, jornalista de uma cidadezinha da Califórnia. Isto até o brutal assassinato da irmã. Obcecada pela ideia de encontrar o criminoso, Nora se deixa conduzir pelo misterioso M. por um mundo de jogos perversos, sem regras ou limites, descobrindo os desejos mais primitivos e sensações antes inimagináveis. Atraída pelo magnetismo excêntrico de M., ela só não desconfia que a morte acompanha seus passos e pode até estar ao seu lado, na cama.

Suspense com altas doses do mais inusitado tipo de erotismo estão em Falsa Submissão, uma história perturbadora que marca a estreia literária da americana Laura Reese.

FONTE: http://www.skoob.com.br/livro/7994-falsa-submissao